Alimentação


O HIPERNUTRIÇÃO EXAGERO FATAL

Alimentação em doses excessivas causa malformações nos animais jovens. Siga as dosagens indicadas para cada faixa etária e salve seu cão de um grande sofrimento.

Com relativa freqüência, comenta-se no meio cinófilo que os filhotes em fase de crescimento devem "comer e engordar bastante". Convém lembrar que para algumas raças alimentação em demasia não acarreta maiores danos; porém, para raças de grande porte, essa pode ser uma prática desastrosa.

O potencial genético máximo para crescimento ósseo não pode ser alterado por superalimentação nem em sua intensidade, nem em seu tempo, a ponto de suplantar um aumento rápido de ganho de peso. Isto significa que superalimentando os cães no primeiro ano de vida, eles irão ganhar massa corpórea às vezes extremamente pesada para a estrutura óssea em formação, e ainda frágil. Como conseqüência, verificaremos o aparecimento de anormalidades ósseas graves.

Deformações

Em um estudo de 1974 sobre superalimentação e doenças ósseas, os pesquisadores Headhammer e Cols alimentaram filhotes de Dogue Alemão adotando dietas secas com 36% de proteína, 14% de gordura, 40% de carboidrato e 10% de cinzas (matéria mineral) e constataram que os filhotes desenvolveram significantes alterações ósseas como o engrossamento de articulações, aparecimento nas costelas do rosário raquítico pronunciado (aumento de articulação costocondral), hiper-extensão do carpo, manqueira e achinelamento dos membros anteriores.

A mesma ração foi também fornecida para outro grupo de filhotes de Dogue Alemão, em quantidades controladas, no entanto. O resultado foi que nenhum sinal de doença foi observado.

Tentações variadas

O mercado brasileiro tem à disposição uma série de rações de alta concentração de nutrientes e energia. Muitas são enriquecidas com aromatizantes e palatabilizantes (reforçadores de sabor) que estimulam os filhotes a consumi-las com mais intensidade.

Para não errar na dose o criador precisa observar com atenção as recomendações indicadas para as diversas faixas etárias do crescimento. Só assim ele pode desfrutar o potencial máximo da ração prevenindo-se contra as conseqüências nocivas da hiper-alimentação.

Na maioria dos casos, a utilização de "rações balanceadas" de boa qualidade dispensa toda e qualquer suplementação vitamínica ou mineral.

Bibliografia

Minerais Campbell, J.R. 1962. Bone dystrophy in puppies. Vet Rec. 74:1340; Gershoff, S.N., M.A. Legg, and D.M. Hegsted. 1958. Adaptation to different calcium intakes in dogs. J. Nutr. 64:303; hedhammer, A., F. Wu, L. Krook, H. F. Schryver, A. DeLahunta, J. P. Whalen, F. A. Kallfelz, E. A. Nunez, H. F. Hintz, B. E. Sheffy, ND c. D. Ryan. 1974. Overnutrition and skeletal disease: An experimental study in growin Creat Dane dogs. Cornell Vet. 64Li, Suppl. 5; Hentikson, p. 1968, Periodontal disease and calcium deficiency. Acta Odontol. Scand., Suppl. 50. Hoff-Jorgensen, E. 1946. The influence of phytic acid on the absorption of calcium and, phosphorus. Biochem. J. 40:189; Jenkins, K. J., and P. H. Philips. 1960a. The mineral requirements of the dog. I. Phosphorus requirement and availability. J. Nutr. 70:235; National Research Council. 1980. Mineral Tolerance of Domestic animals. Commitee on Animal Nutrition Washington, D. C.: National Academy of Sciences.

Regis Christiano Ribeiro *Ilustrações Ted Graphics