Curiosidades

FILHOTES SUPERTESTE DE TEMPERAMENTO

Agressivo, tímido, obediente, independente... você já imaginou poder prever que tipo de personalidade um filhote terá quando adulto? Pois esta é a proposta deste teste de autoria de duas super-especialistas americanas. Não deixe de fazê-lo ao escolher o seu filhote.

A escolha de um filhote inadequado pode ter resultados desagradáveis. Decepções que podem causar uma devolução ao criador ou então uma atitude de indiferença para com o cão são algumas conseqüências de uma escolha mal feita. Em consideração a este problema, surgiu no Estados Unidos uma tentativa - por parte de duas especialistas em cães Gail Tamases Fisher e Wendy Volhard - de determinar, através de um teste, as tendências de comportamento de um filhote. Apresentamos a você o super teste de temperamento (Puppy Aptitude Testing), fácil e aplicar e que aumenta em muito as chances de você escolher o cão mais adequado às suas expectativas e anseios.

As variações de temperamento

Inédito no Brasil, o superteste de temperamento foi publicado pela primeira vez em 1979, na revista norte americana Gazetti. Suas criadoras são respectivamente, especialistas em comportamento canino e em nutrição e somam trinta anos em experiência prática em criação de cães.
O teste baseia-se em um sistema de contagem de seis pontos, no qual não existe hierarquia de números - ou seja, estes apenas indicam tendências de temperamento, não aprovam e nem reprovam os cães.

Definições

Em primeiro lugar, o que se entende por temperamento? No caso deste teste, a adequação de um cão a uma tarefa ou função específica. Os autores explicam que não existem bons ou maus temperamentos, mas temperamentos adequados ou inadequados. Por exemplo: um cão ativo de temperamento agressivo, enquanto inadequado para uma casa com crianças seria ótimo para alguém que precisasse de um cão para ser guarda de uma indústria e assim por diante. Quanto às variações, entende-se por agressivo um cão combatível, que morde; por dominador, o cão que luta por ser líder; o cão submisso é o que aceita a liderança humana; o tímido o que reage com medo; o independente, o cão que não quer e nem precisa da liderança de outros.

Regras para o teste

Os filhotes devem ser testados quando contam exatamente 49 dias de idade. Isto porque eletroencefalogramas comprovam que nesta idade os filhotes, já tem as ondas cerebrais de um adulto mais ainda são afetados de maneira mínima pelo aprendizado e pela experiência. Nesta fase, pode-se dizer que estamos testando uma folha em branco.
Deve-se ter em mente, ao se escolher o momento do teste, que depois de uma refeição os filhotes estão menos ativos e portanto num momento impróprio. O teste deve ser aplicado quando estão bem ativos. Num dia livre de quaisquer ocorrências especiais que possam interferir no resultado, como vacina, como vermífugos ou visita ao veterinário.
O aplicador do teste deve ser um estranho para o filhote. O criador, que alimenta e brinca com ele, pode participar do teste em silêncio - sua voz familiar poderia prejudicar o andamento do teste - marcando os resultados.
O local de aplicação do teste precisa ser neutro, isto é, não familiar para os filhotes, porque só assim é possível para o aplicador perceber a desenvoltura ou inibição do filhote em situações novas. A área deve estar desobstruída e ficar fora do alcance visual e auditivo da mãe e dos irmãos do filhote, além de ser o mais silencioso possível. Convém evitar a presença de muitas pessoas assistindo ao teste.

O significado dos testes

As duas primeiras etapas do Superteste, Atração Social e Seguir, indicam o grau de ligação do filhote com as pessoas em geral. Demonstram o quanto o filhote é atraído para um estranho e também a sua disposição para seguir.
O próximo passo, Repressão, é um dos mais importantes, pois mostram as tendências dominadoras ou submissas do filhote. Dominância social vai indicar a adaptabilidade do filhote à liderança humana e a sua capacidade de perdoar - a ausência desta capacidade pode significar um cão de treinamento difícil. Dominância por elevação prepara o caminho para um cão que irá aceitar ou não situações sobre as quais não tem nenhum controle, como uma visita a um veterinário.
Busca vai indicar a disposição do filhote em desempenhar uma tarefa. Sensibilidade ao toque demonstra os limites de dor suportado pelo cão e, conseqüentemente, o grau de facilidade para treiná-lo, com uma coleira ou correia. Alguns cães não suportam serem tocados nos pés e nesses casos o teste deve ser aplicado na orelha.
O teste de sensibilidade ao som pode apontar um filhote inadequado para ambientes barulhentos. O de sensibilidade visual obtém respostas que variam da auto confiança à agressividade ou medo.
O último procedimento não exime o criador de sua responsabilidade de detectar defeitos de estrutura. É apenas uma padronização.


TESTE
RESULTADO
Atração Social

Objetivo: Indicar o grau de sociabilidade com as pessoas em geral.

Procedimento: marque um lugar no chão com giz ou fita adesiva, onde o criador colocará cada filhote no início do teste, carregando-o com segurança e apoiando-o completamente por baixo (jamais levantando-o pela nuca). Ajoelhado e sentado sobre os calcanhares a cerca de 1,20 m do cão, bata palmas suavemente e chame, tentando atrair o filhote para si. Caso ele venha, acaricie-o e elogie-o. Se o filhote de todo não vier, vá até ele devagar e permita que lhe cheire a mão aberta, com a palma para cima, dizendo "que cãozinho bonito" (dá confiança a um filhote ligeiramente tímido).Observações: um cão confiante, sociável, reagirá andando com o rabo para cima. Um cão socialmente independente não virá. Um cão mais submisso virá, mas com a cauda para baixo.
Veio prontamente, cauda para cima, pulou, mordeu mãos.

1 - Veio prontamente, cauda para cima, batéu com as patas, lambeu mãos.
2 - Veio prontamente, cauda para cima.
3 - Veio prontamente, cauda para baixo.
4 - Veio com hesitação, cauda para baixo.
5 - Não veio



Seguir

Objetivo: analisar o grau de boa vontade do filhote em seguir um líder.

Procedimento: levante vagarosamente (perto do filhote) e, assegurando-se de que o filhote o está olhando, saia andando com naturalidade, estimulando o filhote verbalmente a segui-lo.Observações: os filhotes mais dominadores vão ficar no meio das pernas do aplicador, atrapalhando e chegando mesmo a morder seus pés, numa tentativa de pastoreá-lo. Filhotes audazes e confiantes seguir-lhe-ão com o rabo para cima. Os mais submissos, com o rabo abaixado. Os independentes não o seguirão.

Seguiu prontamente, cauda para cima; entrou no caminho do aplicador, mordeu pés.

1 - Seguiu prontamente, entrou no caminho do aplicador.
2 - Seguiu prontamente, cauda para cima.
3 - Seguiu prontamente, cauda para baixo.
4 - Seguiu com hesitação, cauda para baixo.
5 - Não seguiu ou foi embora.


Repressão

Objetivo: medir o grau de submissão e dominação do filhote.

Procedimento: ajoelhado no chão e sentado sobre os calcanhares, vire, delicadamente o filhote de costas para o chão e coloque uma das mãos sobre seu peito, fazendo a pressão estritamente necessária para impedi-lo de levantar. Durante o teste, olhe para o filhote, mantendo o contato visual se ele retribuir. Mantenha expressão neutra ou benevolente e não fale. Após 30 segundos, solte o filhote.Observações: quanto mais dominador for o cão, mais experiente deverá ser seu treinador. Se ele mostrar pouca dominação, é um cão excelente para uma casa normal e pode servir para um dono sem experiência.
Debatéu-se ferozmente e mordeu.

1 - Debatéu-se ferozmente e sossegou.
2 - Debatéu-se, sossegou com um pouco de contato de olhar.
3 - Debatéu-se e depois sossegou.
4 - Não se debatéu.
5 - Não se debatéu, esforçando-se por evitar contato de olhar.

Dominação social

Objetivo: medir o quanto o filhote é capaz de perdoar.

Procedimento: o filhote é colocado em posição sentada em frente aos seus joelhos, de modo que você possa olhá-lo num ângulo de 45º. Afague o filhote com uma das mãos. Começando pelo alto da cabeça e indo pelas costas até o rabo. Curve-se em direção ao filhote, de modo que ele possa lamber seu rosto se quiser. Neste momento, você pode falar baixinho com ele.Observações: o filhote que não perdoar crescerá guardando rancor, fazendo "beicinho" por vários dias depois que levar uma bronca. Treinar este tipo de cão pode ser difícil. Se o treinador perde o controle ou faz algo errado durante o treinamento, o cão não faz mais nada, às vezes por vário dias.

Pulou, batéu com as patas, mordeu, rosnou.
1 - Pulou, batéu com as patas.
2 - Achegou-se, carinhosamente, à pessoa que aplicou o teste e tentou lamber seu rosto.
3 - Contorceu-se, lambeu às mãos.
4 - Rolou, lambeu mãos.
5 - Foi para longe e ficou longe

Dominação em posição elevada

Objetivo: testar a reação do filhote a uma situação sobre a qual ele não tem controle nenhum.

Procedimento: com o filhote olhando na direção oposta à sua, coloque a mão em concha ou entrelace os dedos de ambas as mãos por baixo das costelas do filhote, e levante-o de modo que suas quatro patas não toquem o chão. Conserve-o nesta posição durante 30 segundos, sem nada falar.Observações: o filhote que se mantém relaxado, não demonstrando medo ou tensão alguma, será um adulto com atitude tranqüila em situações sobre as quais não tenha controle. Tensão ou luta indicam um filhote que não aceita a dominação do aplicador e, da mesma maneira, não irá aceitar facilmente a dominação do ser humano em geral.
Debatéu-se ferozmente, mordeu, rosnou.

1 - Debatéu-se ferozmente.
2 - Não se debatéu; relaxou.
3 - Debatéu-se, sossegou, lambeu.
4 - Não se debatéu, lambeu mãos.
5 - Não se debatéu, ficou paralisado.

Buscar

Objetivo: analisar a disposição do filhote de trabalhar para um ser humano.

Procedimento: ajoelhe-se no chão com o filhote entre os seus joelhos, você e ele voltado para a mesma direção. Pegue em uma das mãos uma bola de papel amassado, mais ou menos do tamanho de um maço de cigarros, provoque o filhote com o papel e depois jogue-o na frente do filhote, a uma distância de 0,60 a 1,20m. Assim que o filhote começar a se movimentar em direção ao papel, ande 60cm para trás, e quando o filhote pegar o papel chame-o e encoraje-o a trazê-lo de volta. Quando o filhote voltar com o papel, elogie-o bastante.Observações: Os resultados destes testes têm uma forte ligação com a facilidade para treinamento. Se o filhote demonstrar boa vontade para pegar o papel e voltar imediatamente para o aplicador, ou voltar sem o papel, demonstra elevado grau de obediência. Se ele se desinteressar pelo papel e simplesmente se afastar, indica baixo grau de obediência. Se ele apanhar o papel e levá-lo para brincar sozinho, demonstra independência.
Persegue o objeto, pega-o, corre para longe.

1 - Persegue o objeto, fica de pé sobre ele e não volta.
2 - Persegue o objeto, e retorna com ele para o aplicador.
3 - Persegue o objeto e retorna sem ele para o aplicador.
4 - Começa a perseguir o objeto, perde o interesse.
5 - Não persegue o objeto.

Sensibilidade ao som

Objetivo: analisar o grau de sensibilidade ao som.

Procedimento: o filhote é colocado de costas para a fonte de barulho, e não é tocado pelo aplicador. Uma colher de metal é batida com bastante barulho numa panela também de metal. O barulho pode ser repetido se não houver reação clara do filhote.Observações: um filhote que nota o som e vai até ele é bastante audaz e confiante. Um filhote que se assusta e se recobra rapidamente é perfeitamente normal. Um filhote que escuta o som e reage tentando fugir, ou que fica visivelmente assustado com o barulho não serve para casas barulhentas e não se sai bem em situações barulhentas.
Ouviu, localizou o som, andou em direção a ele, latindo.

1 - Ouviu, localizou o som, latiu.
2 - Ouviu, localizou o som, demonstrou curiosidade e caminhou em direção ao som.
3 - Ouviu, localizou o som.
4 - Aninhou-se com medo, recuou, escondeu-se. Ignorou o som, não demonstrou curiosidade alguma.

Sensibilidade visual

Objetivo: analisar a reação cognitiva (inteligente) a um objeto estranho.

Procedimento: coloque o filhote no centro da sala. Amarre um cordão ao redor de uma toalha grande e puxe-a aos arrancos pela sala, a alguns metros de distância do filhote, num movimento perpendicular a ele.Observações: o filhote que mostra curiosidade e tenta "investigar" a toalha indica auto confiança. O filhote que tenta "matar" a toalha indica agressividade. Há filhotes que sentem medo.
Olhou, atacou e mordeu.

1 - Olhou, latiu, cauda para cima.
2 - Olhou com curiosidade, tentou investigar.
3 - Olhou, latiu, cauda recolhida.
4 - Fugiu, escondeu-se.

Sensibilidade ao toque

Objetivo: indicar se será fácil ou difícil controlar o cão pelo contato físico.

Procedimento: ponha o filhote no chão, próximo a você e coloque uma perna dianteira na palma da mão, sem fazer pressão. Com a ponta do polegar e o indicador da outra mão, segure a membrana de entre os dedos desta pata. Vá contando devagar até 10 e apertando. No 1 a pressão é bem leve e no 10 o mais forte possível. Solte logo que o filhote mostrar uma reação visível de dor (como puxar a perna com força ou tentar morder a mão do aplicador). Observações: este teste oferece uma indicação de como o cão reagirá à sensação de toque, que é como a maioria das pessoas executa o treinamento - pelo uso de coleira e guia. O filhote que for extremamente sensível ao toque reagirá à menor pressão da coleira. Um filhote insensível vai requerer uma força maior ou equipamento especial.
Contagem de 8 a 10, antes de reação.

1 - Contagem de 6 a 7, antes de reação.
2 - Contagem de 5 a 6, antes de reação.
3 - Contagem de 2 a 4, antes de reação.
4 - Contagem de 1 a 2, antes de reação.


Estrutura

Objetivo: analisar o grau de firmeza estrutural. Boa estrutura é necessária.
Procedimento: o filhote é gentilmente posto em posição natural e avaliado em estrutura nas seguintes catégorias conforme as ilustrações.

O filhote é correto em estrutura. Bom
O filhote tem uma leve falta ou desvio. Regular
O filhote tem extrema falta ou desvio. Mau

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

Os primeiros 5 testes (Atração social, Seguir, Repressão, Dominação social e Dominação em posição elevada) mostram o grau geral de compatibilidade do filhote com as pessoas. A seguir, uma análise da marcação possível de pontos e o que eles indicam em termos de lar ideal ou função para aquele filhote.

Maior quantidade de 1: um filhote que marcar predominantemente o número 1 nos primeiros 5 testes, especialmente no de Buscar e no de Dominação Social, demonstra um temperamento dominador com tendências agressivas, e deve ser confiado a um treinador experiente e muito competente. Este cão não aceitará facilmente a liderança humana,e ao crescer poderá transformar num problema para pessoas que não sejam muito experientes. Se provocado, ele morderá, não sendo ideal como cão de companhia. É apropriado para guarda.

Maior quantidade de 2: um filhote que marcar predominantemente 2 nos primeiros 5 testes é dominador e autoconfiante, e pode ser provocado para morder. Em mãos experientes, pode se transformar num fantástico cão de trabalho ou de exposições. Se for treinado e educado com competência, aceitará a liderança humana e poderá conviver bem dentro de casa, com as pessoas da família. Não é, entretanto, um cão para uma pessoa inexperiente.

Maior quantidade de 3: um filhote que marcar o número 3 com maior freqüência nos primeiros 5 testes é vigoroso, sociável e ativo. Este cão promete se tornar um maravilhoso cão de trabalho, de exposições, e se receber treinamento adequado. Se for pertencer a um dono inexperiente, é aconselhável que receba o treinamento de obediência bem cedo.

Maior quantidade de 4: este seria o cão de companhia ideal para uma família normal. Vira-se do avesso para agradar, é facilmente treinável e é bom com crianças. No entanto, não se destaca pela autoconfiança, o que poderia prejudicá-lo, por exemplo, em exposições.

Maior quantidade de 5: a este cão, falta autoconfiança. Não se adapta bem a mudanças, requer um lar calmo. Uma família pouco exigente ou um casal de mais idade seriam os mais indicados para ele. Se seu escore inclui também 5 nos testes de Sensibilidade (Toque, Som, Visão), ele é tímido e crescerá medroso.

Maior quantidade de 6: um filhote marcando mais 6 pontos nos primeiros 5 testes mostra independência e falta de interesse em gente, devendo crescer pouco afetivo. Estas características são próprias da maioria das raças nórdicas e alguns Hounds como o Basenji, mas é compreensível devido aos propósitos para os quais foram criadas. Pode ser também que o filhote já tenha se ligado ao criador e não queira interagir com um estranho; se existe esta suspeita, ele deve ser retestado, num local não familiar a ele.

Resultado misto: se não houver predominância de nenhum número, pode indicar que o filhote não está se sentindo bem naquele dia. Neste caso, ou se o resultado for muito diferente do esperado, recomenda-se retestar, no dia seguinte, em outro local, utilizando outra pessoa para aplicar o teste. Os resultados dos testes de Busca e Sensibilidade indicam inteligência, estabilidade e boa vontade para aprender. Um bom cão marcará 3 ou 4 nestes testes. Não que um cão que marque 2 não possa ser treinado, mas irá necessitar de um treinador experiente. Por exemplo, um cão com alta sensibilidade visual precisa de um adestrador que conheça perfeitamente as técnicas da linguagem do corpo, pois é principalmente através dela que o cão aprenderá. Do mesmo modo, um cão com um limite alto de sensibilidade de toque (ou pouco sensível), necessitará de um treinador que saiba empregar outras técnicas, pois o cão não reagirá, ou reagirá pouco ao toque.